27.8.08

Misha Defonseca e o holoconto

No Correio da Manhã uma notícia inquietante. Misha Defonseca vai a tribunal por causa da seu livro sobre o holocausto.
Pelo vistos, até o género conto é perigoso para o politicamente correcto.
Bolas, trata-se apenas de um holoconto.
Onde está a liberdade de expressão e a limite da imaginação?

«Misha Defonseca, de 71 anos, chocou o Mundo duas vezes e prepara-se para continuar. Em 1997, a belga publicou, com sucesso imediato, a sua história de sobrevivência ao Holocausto. Em Fevereiro deste ano, negou a veracidade do seu relato. E agora vai a tribunal acusada de fraude pela editora que antes acusou do mesmo. Confuso?
A editora americana de ‘Misha: A Memoire of the Holocaust Years’ vai reabrir um processo judicial que em 2001 foi favorável a Defonseca e Vera Lee, co-autora das falsas memórias. Na ocasião, Jane Daniel, a editora, foi julgada e condenada por reescrever o livro e receber os respectivos direitos de autor, contexto em que se deu a revelação: "A história é minha. Não é real, mas é a minha realidade...", admitiu Defonseca.
A jovem órfã judia, perseguida por nazis e protegida por um par de lobos, nunca existiu, mas terá existido um alerta da co-autora à editora para a incoerência dos factos. E a reacção, essa, foi bem diferente daquela que agora Jane Daniel esgrime em sua defesa: "Todas as histórias de sobreviventes são assim."»

1 comentário:

tony disse...

Ou seja, sao mentiras!